sábado, 10 de maio de 2008

Quatro dias, passa depressa.

Com esta frase acordou a Alfacinha na véspera do começo das provas, depois de uma noite mal dormida, de pesadelos com todas as coisas ingurgitadas em salada russa, quelle est l’enthalpie libre d’un coeur en systole de téléostéen lors d’une réfraction de Taylor-Lagrange dans des conditions idéales de température et de pression, sachant que le phospholambane inhibe le recepteur muscarinique à l’acéthylcholine dans le cycle de Krebs ?.
Ainda estremunhada foi abrir as portadas e ver, uaaaau, que lindo dia lá fora. Eis senão quando, cai-lhe um aranhiço de dimensões nunca vistas no braço ainda quentinho dos lençóis. Sistema ortossimpático em acção, descarga de adrenalina pela glândula supra-renal, reflexo de sobrevivência activado, reacção de fuga: deu um salto e um grito, gritinho. Respiração e ritmo cardíaco acelerados, procura o aracnídeo. No chão do quarto: nada. Na varanda: nada… Senta-se na cama, respira… Mexe no cabelo… Aí estava o artrópode. De novo o ortossimpático, e desta vez fuga pela varanda. Sentiu-se ridícula a Alfacinha, na véspera dos concursos para agronomia e veterinária…

Foram quatro dias de concursos, para fechar estes dois anos de estudo.
Quatro dias a levantar com as galinhas para ir até La Villette onde decorria a prova.
Chegada lá, a Alfacinha instalava-se à sua mesinha, com as suas canetas, fazem-me companhia, canetas?, à espera da distribuição do enunciado. Ela, mais 644 estudantes e umas dezenas de vigilantes.
«Je demande aux candidats de se lever et aux surveillants de distribuer les sujets».
645 pessoas levantavam-se das suas cadeiras, enquanto os enunciados eram pousados nas mesas ao contrário. Silêncio total. 645 pares de olhos a tentar perceber o que está escrito na folha até que…
«Vous pouvez vous asseoir, je déclare l’épreuve commencée.»
645 traseiros a atirarem-se para as cadeiras, 645 enunciados a serem virados impacientemente e percorridos freneticamente. 645 cabeças viradas para o papel, 645 canetas a dar a dar.
Ao fim de três horas e meia…
«Je demande aux candidats de se lever, de poser leurs stylos, je déclare l’épreuve terminée.» Nada mais a fazer senão levantar, reabituar os olhos a ver ao longe, esticar o braço dorido e respirar fundo ao pensar : menos uma.
E foi isto, duas vezes por dia, durante quatro dias.
26 horas de prova e umas 90 páginas escritas.

Há uns anitos, uma ida a La Villette tinha outro balanço para a Alfacinha: quantas manivelas rodou, quantos tubos com água encheu, em quanto tempo fez escorrer a areia… Há uns anitos fazia parte das criancinhas histéricas que corriam de um lado para o outro, com um sorriso na cara. Mal sabia ela na altura, que uns anitos depois seria mais olheiras e desejos assassinos ao ver criancinhas a berrar e a balouçar-se nas portas das casas de banho…
Já não surpresas com as experiências, já não surpresas com os jogos… Surpresas ao ver que 3h30 de dissertação sobre raízes de angiospermas, surpresas ao ver que 3h30 de análise da adaptação cardíaca do piton durante a digestão, surpresas ao percorrer a prova de física e não encontrar a termodinâmica.

Talvez as idas em pequena a La Villette tenham feito com que a Alfacinha se encontre agora frente a frente com problemas de electricidade, química orgânica ou de digestão dos pitons. Veremos o que trarão estas recentes idas a La Villette!




(A sala de prova)

18 comentários:

Anónimo disse...

FORÇA MARIANA!!!! O mano Pedro e a Sónia estão aqui a apoiar-te todos os segundos!!Break a leg maninha!!

Porfirio Silva disse...

Conheces aquela porta baixinha, no canto esquerdo ao fundo, por onde se sai do inferno depois de atravessar as labaredas e deitar a língua de fora ao diabinho de serviço? É por lá que se sai. Esperamos por ti cá fora! E, depois, está toda a vida por vir, é claro.

Anónimo disse...

A tua descrição fez-me lembrar as minhas provas de titularização para a Comissão Europeia. Tal qual...como escolares. Acompanhados apenas de uma esferógreáfica e...ah, também uma caneta de sublinhar! A mesma sucessão, a mesma disciplina... Éramos 1100.
A tua mãe explicou-me o teu labirinto... apanha o melhor percurso; há pelo menos um - o que tu queres - à tua espera.
MM

Anónimo disse...

Estas novas idas a La Villette trarão um enorme alívio. De combate travado. E ganho. Grande o desafio. Maior o mérito de quem o aceita. Coragem Mariana. Para a frente é que é o caminho.

Anónimo disse...

Um homem é um homem e um gato é um bicho. Uma rapariga valente valerá por um homem mais outro homem mais um gato mais outra rapariga? Neste caso é assim mesmo. É-o, e com capacidade para VENCER malgré a disciplina militarista. Bjs
JP

Anónimo disse...

Que devo levar na mala como kit de primeiros socorros quando aterrar por ai a 25 de Julho!????Prometo nao perguntar..."que tal foram as provas?"
Beijos bom trabalho e ânimo alfacinha!!Beijo prima Leonor

Anónimo disse...

Maninha

Grande frustração...um texto com 547 palavras pejado de palavrões do tipo entalpia, lagrange, acetilcolina, angiosperma, ciclo de Krebs, termodinâmica, etc.... todos eles me são falimiares mas não te consigo ser útil num único. Basta-me desejar-te bom trabalho e transmitir-te a certeza de que amanhã não te arrependerás do esforço que estás a fazer hoje.
Beijinhos
Rui André

gracanieto disse...

Alfacinha
Que sala!!Imagino os 600 e quntos? ruidos dos etudiants a levantarem-se e sentarem-se!
Que tudo corra bem! Bjs

Anónimo disse...

Mariana!
Lembras-te?...." eu vim de longe...o que eu andei para aqui chegar...com tanta coisa para vos contar"...etc...Valeu e valerá sempre a pena o trabalho e o esforço de hoje! Força vais conseguir...afinal tu és mesmo uma menina de sucesso! Bjs...mtos da Luisa e do Antonio

Anónimo disse...

Não são as aranhas que dão sorte?
Mas que todos os sucessos não a afastem tão cedo de atmosferas parisienses, senão vai ter mtas saudades!

Paula Marques

Fifi disse...

Fica aqui toda a sim/empatia de quem já passou por isso (duas vezes!) e depois encarrilou numa via um pouco diferente... Fores para onde fores a seguir, tens essa experiência dentro de ti e nada mais te custará tanto porque, como diz um certo Rebelo, isso enrrija.

Maria Augusta Babo disse...

Já agora, também, um beijinho da Mãe que, seja como for, te aconselha resistência. É a melhor preparação para a vida.

Anónimo disse...

Mais um comentário: das mães não se espera outra coisa... e da tua não se espera mesmo diferente; por aqui vai torcendo pela sua menina!
Vou estar em Paris de 10 a 15 de Junho; preparação da presidência francesa da UE oblige. E telefono-te para jantarmos ou algo de parecido. Lá mais para junto do w-e, que já seremos três. Ou o teu calendário não to permite?
Beijos e good luck
MM

Anónimo disse...

marianita!! gostwi muito do teu texto! depois diz-me quando souberes os resultados!
beijaça, joana r.

Anónimo disse...

Ainda não sairam os resultados?
Já aqui vão muitas saudades de uma das suas pertinentes crónicas.
Espero que as histórias da alfacinha continuem mesmo que noutros destinos.
Mas obrigada por tudo o que já nos ofereceu.

Paula Marques

Pedro Guinote disse...

Então Mana? Fartaste-te de nos contar a tua vida?!Olha que o pessoal assim chateia-se! :)

Ultimo post a 10 de Maio, já é tempo de voltar a dar à prosa.
Anda lá, e que os exames não sirvam de desculpa... ;)

Beijinhos!!

Maria Augusta disse...

Pois, pois, já tenho ouvido mais reclamações!!!
E sei que andas para aí a dançar e nem uma janelinha para a gente ver....
Bjs Mab

Anónimo disse...

Tendo a constatar que a observação da tua mãe não é neutra...acho que andam por aí umas fotografias lindissimas que nos roubas a oportunidade de as vermos...bom se não as publicares - o que é claramente uma má opção - espero vê-las em Agosto, no sítio do costume. E esta semana está mesmo quase quase a acabar!
MM (para ti falta o terceiro M)