sábado, 31 de março de 2007

«Porque é que o Nuno já viu as fotografias e eu não??» (Setembro 2006)

Pois é, Tia Margarida, tem toda a razão. E é por causa desta frase que aqui se abre esta página. (E desculpa lá, Nuno, de te tirar o privilégio!)

Abrir páginas, virar páginas, eis aquilo que significaram estes seis meses para mim. Uma nova vida, totalmente nova que vou conquistando.

Habituar-me a adormecer e acordar numa casinha vazia, pôr dois despertadores com receio de uma falha tecnológica, sair de casa e dar uma, duas voltas à chave, aventurar-me pela rua fora, enrolada em várias camadas de tecidos para evitar hipotermias, a cantarolar (que frio que faz em França, que frio que faz em França…) e ir para Saint-André des Arts todos os dias, todos os dias atravessar o Boulevard Saint-Germain. Fazer meu um bairro. O Bairro, que ainda há um ano era mais sonho, mais utopia, um «não-lugar», lugar impossível, irreal. O Bairro onde passeava com suspiros de inveja, suspiros de «ai-qu’eu-gostava-tanto-de-vir-p’aqui»… O Bairro onde agora estudo, o Bairro de que me vou apropriando, pouco a pouco, sempre com o mesmo encanto. O Bairro que também me vai moldando, ao ponto de às vezes não saber em que língua estou a pensar, ao ponto de dizer coisas esquisitas e inquietantes como «montar escadas»… E ao fim do dia deixá-lo (Como é possível que eu esteja meeeesmo aqui…?), voltar para casa, dar uma, duas voltas à chave (Não está cá ninguém! Ah pois, é normal), entrar e ver que tudo está como deixei, (ninguém cá entra, só eu, é a minha casinha), correr acender os aquecedores, tentar pôr um pouco de vida no espaço, experimentar um som, ver se faz eco, ver se há resposta. Nada, silêncio. Paciência.

E dia após dia vou-me habituando. Dia após dia vou-me convencendo de que me sinto bem, de que gosto de Paris, de que gosto do que faço.

E vejo isso de cada vez que me acontece uma daquelas situações insólitas, de cada vez que me sinto embebida da cidade e que só tenho vontade de sorrir e respirar fundo. São estas coisas que dão um condimento ao dia: um mutilado da Segunda Guerra que me chama de «mon amour», uma filósofa coscuvilheira na lavandaria, uma orquestra de palhaços à beira do Sena, uma fanfarra no Marais, um bolo de chocolate no Luxembourg, horas a ver um malabarista em frente à Notre-Dame, um acordeão numa esquina do metro, um arco íris na minha janela com uma ameaça de neve, andar depressa sozinha no meio do frio e da multidão, ou voltar para casa à noite, sozinha, ouvindo o som dos passos na rua, fazendo nuvens de ar branco ao respirar, com um olho nas janelas onde uma luz deixa ver o interior das casas...

E de semana em semana vou-me fazendo mais dona da minha vida, mais dona do meu tempo, mais dona de mim.

Citando a mãe que me citava a mim, em pequenina: «Como se faz? Fazendo!».

E assim, abro esta página, na qual abro a porta da minha casa. Aqui está uma visita guiada completa, comentada, para responder aos vários pedidos que recebi (e espero que saia melhor que a encomenda!). Claro que uma visita virtual é sempre inferior a uma visita presencial. Chego então à segunda razão de ser desta página: é também um convite a todos os que ainda não vieram cá. Aqui verão certos e determinados ângulos do apartamento. Parecer-vos-á até bastante espaçoso, mas é ilusão: foi com a falta de recuo para muitas fotografias que me dei realmente conta de quão pequeno ele é…! E aos que por cá já passaram, é um re-convite!

Esta página leva uma dedicatória especial para os avós que se interessam profundamente, que se preocupam, apesar de estarem longe. Os avós, que quando me ligam tentam transmitir o máximo de calor, de conforto, de amor, no mínimo de segundos possível: «Então, Mariana, tudo bem, por aí? Muito frio? Um beijinho muito grande!». Sorrio, sinto-me abraçada, aconchegada no «jagalhinho» das mantas da sala dos avós. Os avós, que eu gostava tanto de receber aqui. Infelizmente, parece-me improvável… Avós, é para vós, vejam, perscrutem, sintam-se aqui em casa. Comigo a guiar-vos.

A introdução já vai longa… Agora, é só clicar no mapa alí em baixo e deixar correr!

Quanto a este blog o seu futuro é ainda incerto…

(Tia Isabel: guarde um bocadinho do seu riso ao ver isto para me mostrar quando nos encontrarmos!
Mano Pedro: estou-te a dever um enoooooooorme beijinho pela ajuda técnica)

Ah! Só uma palavrinha aos que, algum dia, deixei pendurados no MSN: desculpas. Esta era a razão…

22 comentários:

Pedro disse...

pois é prima iniciar uma vida sozinhos e complicado, mas depois não há melhor. Só depender-mos de nós, ninguém atras a dizer "Mariana" vem jantar, "Mariana" vai estudar, "Mariana" quero-te em casa as X horas....baaaaaaaah, e bem melhor estar sozinho (experiencia propria). Bem muito sinceramente não li o blog todo (quer dizer so li o 1º paragrafo) mas quero-te desejar a maior sorte do mundo e que aproveites bem esta nova vida (mas com juiso :P) Um beijão. E apesar da nossa distancia podes sempre contar comigo. Porta-te mal prima.;-)

Anónimo disse...

Mariana gostei muito da visita guiada pela casa! Espero um dia ter o prazer de visitá-la ao vivo! um grande beijinho
Madalena Perestrelo de Lemos

eduardo graça disse...

Eu não te dizia que isso ia correr bem? Tá visto!...

mab disse...

Mariana,
Vi a tua casa com outros olhos e uma lagrimazita.
É bom construir son chez soi. E essa experiência é unica. Fico feliz, minha filha.
Mãe

Anónimo disse...

Senti aqui reproduzido o que tive (tivemos) oportunidade de partilhar contigo in loco, em fevereiro. E agora a moralidade: a vida de emigrante ajuda a crescer, a respirar mais fundo, a ver diferente...e em qualquer momento da vida! Good luck.
MMM

Nuno disse...

Feliz por ti e pela tua casa.
Contente que te tenhas finalmente lançado a abrir estas páginas há tanto prometidas (faz-me lembrar que tenho algo ao frio..).

falando em promessas, a minha mantem-se :)

Anónimo disse...

Dá gosto ver: não somente (nem sequer principalmente) a "reportagem", mas também (e acima de tudo) como respiras gosto (gozo, prazer, empenho, entusiasmo) por essa tua vida aí. Pela Vida, simplesmente, afinal.
Achei tudo com muito bom gosto e com muito calor quando vi ao vivo e esta tua "emissão via net" lembra isso.
Escusado será dizer que fiquei a rebentar de orgulho por ser designado como o teu filósofo preferido: mesmo sendo na brincadeira, é bonito! Isso, a acrescentar a ter um texto meu na parede da tua casa de parisiense, é um ponto alto na minha carreira (só falta saber: carreira de quê?).Quem sabe se a biologia (mais a curiosidade) não te leva um dia para a filosofia?!
Dá gosto ver como ganhas asas e voas! Parabéns a ti e aos que tiveram e têm a sabedoria de te ajudar nesse voo.
Beijinhos e lindos dias.
Porfírio

Clémentine disse...

C'est super ce que tu as fait on voit que Paris te plait!!!!
Tu commences a etre une vraie parisienne (qui connait les stations de métro fermées pour travaux...)
Tres heureuse d'avoir un bout de notre famille portugaise a deux pas de notre porte!
A bientot (a toute suite???)

Anónimo disse...

Bom prima, eu ja escrevi este comentario 2 vezes e apaguei mas sai sempre a mesma coisa!
Gostei imenso do texto e tao girrisimas as fotografias a tua casinha e os comentarios =D tens jeito pa isto!
So me resta dizer que estou ansiosa por ir ai e qe ate parece qe ja conheco a casa! lol
Nao te preocupes que eu assim qe puder mostro o blog a minha mae , ela vai adorar a parte dos risos! Aserio e a parte dos avos... bem se eles soubessem!!

Um beijinho mesmo grande para a uma prima mesmo qerida e engraçada! (sim porque tu tens mesmo piada a falar! ou por outra...a escrever!)
Adoro.te,
a prima mais nova, Constança

Isabel BL disse...

Minha querida Menina,
desta vez não ri; sorri com uma lágrima que não consegui evitar.
Porque será que até nos parece que é fácil crescer assim como tens crescido ? ... mais segura de ti, de dia para dia, «fazendo-te mais dona da tua vida, do teu tempo, de ti»...
Descobres-te a ti, à cidade que conhecias e de que te aproprias,desvendas a física, a química, a filosofia, a literatura e a Vida. Numa «casinha» acolhedora, com marcas dos teus outros, de onde se vêem os telhados de Paris.
Parabéns e que vivas Feliz, sobrinha muito querida
Tia Isabel

Marta disse...

Agrada-me saber que estás bem, agora numa casita linda, a TUA casita, em PARIS. Adorei o pormenor do rolo de papel e do sabonete. E os cortinados do quarto são realmente um espanto!!
Fico contente por te ter ajudado no início deste novo capítulo da tua vida. Foram duas semanas espectaculares, que nunca esquecerei!

A distancia só separa alguns...

Um grande beijinho
Marta Correia da Silva

Bailarina disse...

Estou aqui a pensar quando é que me convidas pa te ir visitar! Tou xeia de saudades... ainda bem que estás feliz! Tenho de confessar que também tenho saudades de Paris... e bué de novidades pa te contar.
Beijinhos muito, muito grs, da Bailarina Catarina

Laure disse...

Héhé!! J'ai pas tout compris mais armée de mon téléphone et du petit Raphael portugais (ainsi que de mes grands progrès grâce à cette fameuse vache laitière, déclencheuse de mon goût prononcé pour cette langue où on pince le nez). Bref j'ai pu comprendre l'essentiel de ce texte d'une vie que je connais car MOI, j'ai la chance de la voir tous les jours la Sozinha Mariana qu'est pas si sozinha que ça pour harpenter les shuffle, 2ème étage et autres brownies luxembourgeois^^. Fin tout ça pour dire que tu t'es adaptée plus que parfaitement à cette vie parisienne que tu as l'air d'aimer et c'est l'essentiel. Un dernier conseil, écrit sur ce blog, tu verras c'est libérateur...

Plein de beijinhosss (jcopie hi hi) de Laure!!

Anónimo disse...

Esta muito giro ! A casa parece mesmo gira mas espero um dia tambem ve-la ao vivo ! Beijinhos, Carolina Perestrelo de Lemos

marta disse...

Aqui estou eu novamente! (acho que sou a primeira a deixar dois comentários :P).
Quanto à minha linda figura na foto digo apenas que rapidamente aderi aos costumes franceses ao usar a meia (não, não era branca...fica para a próxima!) com o chinelito!
Quanto à hipotermia, reconheço: ontem tive alguns momentos em que parecia que estava a ter isso mesmo!

Feliz por te ter cá!

Marta C.S.

P.S: Que pour toi:
"Nager dans les eaux troubles
Des lendemains
Attendre ici la fin
Flotter dans l'air trop lourd
Du presque rien
A qui tendre la main
Si je dois tomber de haut
Que ma chute soit lente
Je n'ai trouvé de repos
Que dans l'indifférence
Pourtant, je voudrais retrouver l'innocence
Mais rien n'a de sens, et rien ne va

Tout est chaos
A côté
Tous mes idéaux: des mots
Abimés
Je cherche une âme, qui
Pourra m'aider
Je suis
D'une génération désenchantée,
Désenchantée"

Anónimo disse...

Olaa =) priminha Mariana!
ANtes de tudo peço-te desculpas de nao ter visto o teu fantástco blog mais cedo, mas nunca me decidi (decisão um pouco sem sentido) em abrir o e-mail..
Melhor apresentação nao poderias ter feito da tua nova vida e do teu grande (nao em tamanho) apartamento! Os textos são girissimos e bastante reveladores do que nunca me contaste direitinho (ja que nós nao falamos muitas vezes..infelizmente)!!
Gostei imenso do que pude conhecer virtualmente do apartamento, da ares de ser bastante agradavél, principalmente a sala e o quarto, ja que a casa de banho é dificil de conhecer (a não ser que seja pessoalmente) e a cozinha é deveras pequena mas engraçada (principalmente as frigideiras e afins pendorados no tecto e os copitos de cocktail)!!
Ansei por te fazer uma visita mas é bastante dificil já que nao posso ser eu a decidir quando, como e com quem... (desvantagens de ser menor de idade oubiste??)
Tenho saudades prima, e adorava estar contigo, ai na tua casinha com ar acolhedor! Um dia, um dia...
Imagino o quanto extenso este comment se está a tornar, mas ainda fica muito por dizer, por contar e muitas saudades por matar!!
Muitos beijinhos, goza muito e nao deizes escapar qualquer oportunidade!!
Joana Babo

Princess Fifi disse...

Ola Mary! Temos mais em comum com a experiencia desse espaco do com sangue que partilhamos.
Um enorme beijinho,
Filipa

Charles disse...

La visite guidee etait geniale! J'adore surtout les chaises que tes amis ont ecrit dessus :) Matilde et moi ont ete vraiment impressionnes par ton apartement: la localisation, l'interieur, TOUT! Et en plus, la personne qui y habite cuisine tres tres bien! A bientot :)

Beijinhos

Anónimo disse...

cou-cou
Só agora escrevo porque só há bem poucos dias tive conhecimento deste blog. Eu bem que recebi um mail mas pensei "nãaa a Mariana não se metia numa coisa dessas, ela nem tempo tem para se cossar ia agora fazer um blog!" mas estava enganada... e não é que saiu bem e tudo?!
Pois é Mariana tens aqui um belo blog que devias manter. Nem que seja nas poucas férias que tens (que são mais que as minhas!!!!).
Muitos beijinhos e quando voltares vamos à Cris!

Inês

PS: a fotografia engana; a Torre Eifel vê-se perfeitamente ;P

julien disse...

Oulala !!! du travail d'artiste encore une fois avec beaucoup d'attention et une connaissance de ce logiciel bien meilleure que la mienne (snif...) on atten avec impatience le prochain épisode avec notament la visite du crouss ou les journées a thèmes au lycée.
laure a raison ( et oui l'un des seuls que je comprenne...) il ne faut pas que tu lasse la constitution de ton blog.
Peut etre le prochaine épisode sur Porquerolles et oui ce n'est pas si loin que ca ou encore sur le cours de claquettes ( meme pour moi cela reste un mystère alors que je te voit tous les jours...)
a bientot peut etre pour un nouveau commentaire si jamais ce site ce voit completé d'un autre article previen moi ( si il est traduit...) ju. qui va voir JUDE demain...merci Mariana...

Susana disse...

Olaaa! =D
Fico contente por te estares a dar bem em Paris (e muito contente tambem por voltares a lisboa para me fazeres estudar sd na biblioteca de quimica do ist!! eheheheh tens de voltar depressa pa estudar ainda mais! ;p ). Gostei muito da tua casinha e adoreeeei os cortinados! E a tua cooor!
Bem,prometo passar mais vezes pelo msn =p para trocarmos novidades!Fica bem,
Mts bjnhs

Susana Espinho

Anónimo disse...

foi tão bom no slide show, não ver, mas rever a tua casa!lembrei-me daquela noite em que jantámos aí uns optimos bifes,arroz e legumes congelados.muita fofoca a ataques de riso.nunca me hei de esquecer.ao mesmo nivel, foi a nossa aventura na ópera de paris.espero um dia ainda ir dormir no teu saco cama pk acho que ainda vamos ter muitas aventuras juntas em paris.enquanto nao volto, guarda com cuidadinho o meu guide michelin! sabes, é optimo ouvir-te dizeres que és feliz.acho que é a das melhores coisas do mundo ouvir alguem ser feliz com tanto entusiasmo. obrigada pela alegria, pela esperança e pela coragem.
joana r.